3 Factores de sucesso num Plano alimentar

O que faz realmente a diferença? Mantenha-se fiel a coisas simples e ao que realmente faz a diferença.

Dê cor ao seu prato

  • As hortaliças são alimentos nutricionalmente muito densos , baixos em calorias e ricos em fibra e água
  • Pode alternar entre saladas, verduras cozinhadas (cozer, assar no forno ou saltear/estufar) e pode incluir sopa como início da refeição para maior variedade
  • Tente incluir sempre pelo menos 2 cores por refeição (brócolos e cenoura, couve flor e couves de bruxelas, espinafres e abóbora)
  • Vão ser essenciais para o controlo das porções porque ocupam uma boa parte do prato com menos calorias

Prefira alimentos nutricionalmente densos 

  • Consulte a lista de ingredientes de todos os alimentos embalados que consome e evite os que tenham açúcar, óleos vegetais e xaropes nas primeiras 5 posições
  • Quanto menos processado melhor
  • Prefira alimentos com valor acrescentado, por exemplo o azeite adiciona mais benefício que a manteiga e a manteiga adiciona mais benefício que o creme para barrar. Mas o abacate é mais rico que ambos e “mastiga-se”. Esta escolha pode ser determinante quando tem limites mais apertados
  • Escolha o alimento de acordo com a finalidade que pretende , estabeleça um critério consistente . por exemplo, não vai contar com o arroz ou a aveia como fonte de proteína nem com os frutos secos gordos como fonte de hidratos.
  • Outro bom exemplo… os flocos de aveia são melhores opções do que muitos cereais embalados

Saciedade e bom controlo da fome

Isto consegue-se com truques simples

  • Preencher o prato com verduras , pelo menos metade
  • Inclua proteína suficiente, tentando incluir uma boa fonte por refeição
  • Apostar em boas fontes de fibra – flocos de aveia, frutos secos gordos, fruta e hortaliças
  • E não tire toda a gordura – a manteiga de amêndoa/amendoim e os frutos secos ajudam a manter a fome sob controlo assim como chocolate rico em cacau (70%).

Acima de tudo encare o plano como uma aprendizagem constante e não como uma “Dieta”

 

 

Esta entrada foi publicada em Nutrição com as tags , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta