Há uma “Dieta” para o desporto?

A Alimentação no desporto é um assunto de interesse nos dias que correm, é um nicho de mercado muito interessante e sobretudo muito promissor porque o desporto continua a ser uma das maiores fontes de saúde e bem-estar.

No entanto, embora a nutrição no desporto seja uma “ciência em separado”, não é um modelo único, ou seja, não existe algo como “A Dieta do desportista” porque existem inúmeras modalidades desportivas com uma natureza totalmente distinta entre si. Adicionalmente, o próprio praticante pode ter um fim muito diferente na mesma modalidade – ser activo, melhorar a performance pela satisfação pessoal (competir com amigos, etc.) ou mesmo competir a nível amador (com o próprio ou com outros).

O nutricionista deve ter tudo isso em conta no momento de fazer o planeamento alimentar do indivíduo. Por isso mesmo, o primeiro a ter em conta é que deve ser conhecido

  • O objetivo do indivíduo
  • A natureza da modalidade
  • A frequência, duração e tipos de treino

 

Isto complica ainda mais quando um indivíduo pode praticar mais de uma modalidade desportiva com fins diferentes. A situação mais comum é quando o indivíduo usa o treino dito de preparação física (no ginásio ou outro) como forma de optimizar as suas qualidades físicas mas a sua modalidade é outra, por exemplo: modalidade colectiva (futebol), endurance (triatlo) ou até um desporto motorizado.

Importa também esclarecer em conjunto se existe um objetivo paralelo que não tem directamente a ver com a modalidade mas pode cooperar na sua melhoria de performance. O caso mais típico é quando o indivíduo pretende optimizar a sua composição corporal (perda de gordura, controlo de peso, aumento da massa magra) embora tenha uma modalidade em que queira melhorar a performance. É comum encontrar este caso em atletas de triatlo, futebol, etc.

Inevitavelmente, no meio desta teia complexa de variáveis de treino, é necessário focarmo-nos em primeiro lugar no factor comum a qualquer uma destas situações: o objetivo principal do indivíduo. Este define o seu foco a curto, médio e longo prazo assim como pode ajudar o nutricionista a balizar a sua intervenção e expectativas nos resultados.

 

E pegando no objetivo, vai ser possível definir:

  • As necessidades energéticas e nutricionais
  • Os pontos a ter em conta na alimentação peri-treino: alimentação e possíveis suplementos se for o caso
  • Estratégias específicas para melhoria da performance por exemplo numa fase pré-prova

 

Por isso, o primeiro passo na consulta de nutrição passa justamente por definir o objetivo. Pode ser difícil definir um só objetivo mas é importante aprender pouco a pouco a definir um rumo e um foco único de cada vez. É possível que na primeira consulta apenas queira “melhorar a alimentação” mas com o tempo vai aprender a identificar melhor os seus objetivos.

Por isso respondendo à pergunta do título, não existe uma dieta para o desporto, até porque como dissemos antes não deve fazer “dieta” e o plano deve ser totalmente personalizado ao indivíduo.

Esta entrada foi publicada em Nutrição desportiva com as tags , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta