Suplementos: como escolher e como decidir tomar

A suplementação é frequentemente vista como um tabu, mesmo entre profissionais de saúde. Essencialmente por dois motivos:

  • Princípio da precaução: se eu não puder ter a certeza da segurança de um produto, não vou recomendar…
  • Falta de evidência: a menos que devidamente comprovado, os suplementos carecem de evidência científica robusta sobre os seus efeitos.

 

Posto isto, uma estratégia de suplementação é sempre pensada para um indivíduo e não num “Pack” igual para todos como muitas vezes se vê. Não existe “suplementação para triatletas”, “suplementação para corredores”, “suplementação para halterofilismo”, etc. Existe isso sim um conjunto de oportunidades de suplementação na modalidade que podem ou não aplicar-se ao atleta.

Essencialmente devemos dividir a suplementação em 3 eixos muito importantes que tem a ver com o motivo e necessidade de suplementar (ou não):

1. Fim nutricional

Ajudam a cumprir o plano alimentar, por conveniência ou para suprir uma necessidade de um macronutriente ou energética extra. É o caso da proteína em pó, dos isotónicos, dos hidratos de carbono, etc.

Têm de ser inseridos no plano, não faz sentido nenhum seguir as instruções da embalagem porque a dose, momento, etc. depende da necessidade individual.

2. Performance /Ergogénicos

Não existem muitos com efeitos comprovados mas existem muitos que ajudam em algum indicador que pode ajudar na melhoria da performance por um mecanismo específico, por exemplo: 

  • Diminuição da percepção de fadiga
  • Controlo/diminuição da produção de ácido láctico e diminuição da fadiga neuromuscular
  • Aumento da força
  • Melhoria da capacidade aeróbia (VO2 máximo por exemplo)

Como deve imaginar, se funcionasse tal e qual como em muitos estudos não nos sentiríamos tão defraudados com algumas “promessas”.

Estes são totalmente adequados: à modalidade, à experiência do atleta, ao objetivo e à real necessidade. Não interessa tomar por tomar se o trabalho de casa ainda não foi feito.

3. Saúde e bem-estar

Aqui “não importa” o objetivo, a modalidade, etc. o objetivo passa por manter o indivíduo funcional, saudável e equilibrado. A necessidade de suplementar com alguns produtos de saúde e bem-estar vem:

  • do aumento das necessidades associado à prática desportiva
  • do stress implicado no esforço intenso
  • da necessidade de equilibrar sintomas/carências próprias do indivíduo

Não existe uma fórmula secreta para isso, as necessidades são avaliadas individualmente ainda que alguns suplementos façam sentido.

Estes suplementos não vão fazer com que sinta “nada” de especial quando os toma e por isso mesmo muitos os desprezam mas fazem toda a diferença quando está a precisar e os introduzir. Além da necessidade não depender do objetivo, pode ser necessário manter a toma a longo prazo o que também nem sempre é tido em conta. Não vai tomar , por exemplo, ómega 3 durante 2-3 meses apenas só porque tem um objetivo específico a curto prazo. É um suplemento muito importante na prevenção de inúmeras doenças e um promotor natural de saúde, se for de qualidade.

 

A suplementação deve ter em conta as suas necessidades , deve ser prescrita por um profissional de saúde do ramo da nutrição (são nutrientes, certo!? é uma prescrição alimentar) e a toma deve ser o mais acompanhada possível. Se um profissional diz que não é necessário, no limite manifeste frequentemente as suas expectativas, necessidades e sensações para nova avaliação dessa recomendação.

 

Esta entrada foi publicada em Suplementação desportiva, Suplementos alimentares com as tags , , , , . ligação permanente.