Uma mesa, grandes diferenças

Uma mesa cheia de amigos é a melhor rede social que pode ter, e a oportunidade perfeita para uma ou outra batota na alimentação. Para algumas pessoas, o medo destes convívios estragarem o seu caminho é enorme… mas será medo do jantar ou do seu comportamento à mesa? Analise as duas situações e veja com a qual se identifica mais. 

Situação 1 

A M. chega ao restaurante para janta com amigos, uma vez mais receosa de estragar a dieta. Está cheia de fome porque não lanchou, esteve inconscientemente a guardar calorias para qualquer eventualidade.

Sentam-se e as entradas estão na mesa, estando com fome começa a picar pão com as azeitonas mas resolve ainda provar o queijo e aquele paté tão bom. Os amigos pedem um vinho excelente e os copos estão todos servidos. A M. está distraída no convívio e como está faminta vai comendo.

Pediram o prato especial daquele restaurante, igual para todos, depois de alguns protestos quando tentou pedir diferente “porque estava de dieta”. Toda a gente brincou com a situação e disse “vá lá, é só hoje…”, não vais deixar de ter resultados por um dia.

O prato vem preenchido com carne, arroz e batatas fritas. Não quer atrasar o jantar por isso não tem coragem de pedir salada ao empregado e preenche o prato. Os amigos falam, vão comendo e preenchendo os copos de todos à medida que ficam vazios. Não querem deixar nada na travessa por isso vão comendo até ver o fundo. A M. aproveita para matar a sua fome e pensa “vou só comer mais um bocado de carne para não dizerem que já parei…”.

Vai comendo relativamente depressa enquanto conversa com os amigos e vão servindo mais sempre que vêm o seu prato vazio. Termina o prato e vem a mesa das sobremesas, aquele restaurante tem uma sobremesa única e não é todos os dias, nem todas as semanas que vai lá por isso a M. pede a tão desejosa tigela. O copo é preenchido de novo porque já tinha bebido mais um pouco.

No final pede um café, sente-se cheia, sente que saiu completamente dos eixos, não se lembra quantos copos de vinho bebeu mas já sentiu que o treino do dia a seguir vai custar. Promete não voltar a marcar jantares com estes amigos enquanto não atingir o objectivo, embora adore a companhia deles.

 

Situação 2

A D. aproveita o jantar de amigos para comer algo diferente, cumpriu o plano alimentar o dia todo e chega tranquila ao jantar. 

Pede expressamente ao empregado que traga uma salada ou hortaliça com o prato. As entradas são servidas assim como a bebida, aproveita para provar um pouco daquele queijo que tanto gosta e pede uma garrafa de água além do vinho. O paté está bom e tira uma colher para o canto da fatia de broa que encontrou no cesto e como raramente encontra aquela broa.

Quando o prato principal vem, preenche imediatamente uma boa parte do seu prato com verduras e serve-se do prato principal servindo-se de menos do que a maioria dos seus amigos. Vai bebericando água e de vez em quando dá um pequeno gole no vinho.

Conversa mais do que come, aproveitando para pôr as notícias em dia e desfruta da companhia dos amigos. Entretanto o seu prato é novamente preenchido com salada que ocupa bastante espaço e vai picando tomate, alface e um pouco de cenoura ralada entretida mastigando devagar e calmamente cada garfada enquanto os amigos lhe respondem.

Chega o momento de pedir a sobremesa e diz que apenas quer provar, entretanto tinha bebido um pouco mais de vinho mas já não havia mais nas garrafas da mesa pelo que não havia risco de preencherem o copo. Tira apenas uma colher de sopa de um ou dois doces que gosta muito para seu pires, que os amigos cedem gentilmente, e desfruta conversando com todos.

Despedem-se e combinam jantar novamente para a semana seguinte, momento em que uma das amigas repara que a D. está mais magra e pergunta-lhe o que anda a fazer. Essa amiga era a M. que jura a pés juntos que não consegue fazer o plano até ao fim porque tem muitos jantares de amigos.

Esta entrada foi publicada em Nutrição com as tags , , , , . ligação permanente.